ABHA | Associação Brasileira de Halitose

Abrir Menu Mobile

Fique por dentro

Fique por Dentro

Abha Sinopse: Palestra

Publicado em : 26/07/2017

Autor : Dra. Maria Cecília Aguiar

 

Durante o IV Encontro Brasileiro de Halitose, o tema da palestra da Dra. Maria Cecília Aguiar foi ‘Como Avaliar a Saliva’. Preparamos uma sinopse para compartilhar algumas informações abordadas. Confira!

A Dra. Maria Cecília Aguiar começou sua aula apresentando uma nova perspectiva sobre a saliva, muitas vezes vista pelo Cirurgião-Dentista como empecilho, algo a ser driblado durante os procedimentos odontológicos. Sugar e conter a saliva é etapa fundamental em restaurações, coroas de porcelana, lentes de contato e até em cirurgias. Além disso, é bastante comum que o Cirurgião-Dentista não estude saliva. Isso faz com que este seja um tema conhecido por poucas pessoas.

Porém, durante sua aula, a palestrante falou sobre a importância e a utilidade desta secreção em várias funções. Explicou que a saliva é responsável pelo conforto em atividades como falar, ao articular as palavras e também ao sentir o gosto dos alimentos, visto que é a saliva quem dissolve as partículas da comida, de forma que elas se tornem perceptíveis pelas papilas gustativas da língua.

A saliva também tem funções relacionadas a saúde bucal, como lubrificar a cavidade oral, de forma a evitar predisposição à aftas e infeções na mucosa. Promove a remineralização do esmalte dentário e também atua nas defesas do organismo. Ela tem imunoglobina e enzimas que agem nesta defesa. Tem ação antifúngica, antibactericida, antivirais, de regeneração, cicatrização.

A professora explicou que a saliva, multifuncional, contribui para deglutição, autolimpeza e diminui a fricção dos tecidos na mucosa bucal, o que aumenta a sensação de conforto. Age também na digestão, a partir de uma enzima chamada amilase salivar, que participa da digestão do amido.

Depois de falar sobre as muitas funções da saliva, a Dra. Maria Cecília Aguiar conceituou a mesma, trazendo desde definições mais populares até conceitos científicos. Falou sobre a composição da saliva, a produção pelas glândulas salivares maiores e menores e explicou sobre a importância de diferenciar a participação das glândulas em cada situação de produção. Em repouso, o predomínio é da glândula submandibular, porém, quando efetuados estímulos mastigatórios, a prevalência de participação passa a ser das parótidas. Entender a atuação das glândulas na produção da saliva é fundamental porque, na realização da sialometria, que são os exames que avaliam a saliva, é possível verificar como está a função de cada glândula.

Depois, foram debatidos os sinais e sintomas da falta de saliva, onde entra a halitose bucal. Na ausência de saliva ou nos casos de fluxo reduzido, a autolimpeza bucal fica prejudicada e os fatores de proteção deficientes. Estas alterações favorecem o aumento da microbiota bucal, que por sua vez, pode decompor proteínas presentes na boca. Ao serem decompostas, desdobram-se em compostos sulfurados voláteis, que são as principais moléculas da halitose bucal.

A autolimpeza prejudicada tem impacto direto nas duas principais causas de halitose bucal. Isso porque, além de influenciar no aumento da contagem de bactérias, ainda amplia a quantidade de nutrientes disponíveis.

A professora alertou que, embora a saliva possa ser facilmente coletada, ainda é pouco observada pelos profissionais de saúde, especialmente os médicos e cirurgiões-dentistas, que raramente avaliam os padrões salivares na rotina clínica.

Mas, afinal, como avaliar a saliva na prática? Com base nos sinais e sintomas citados e no aspecto da saliva, que deve ser incolor, translucida, sem resíduos, com pouca espuma e PH próximo ao neutro. Pode até ter um fio, mas, deve ser pequeno. Explicou que é preciso também avaliar a secreção salivar na glândula em si, se é espontânea, ou se só é liberada com ordenha da glândula.

A professora define a sialometria como um hemograma para a saúde geral, mas, para avaliar a saliva. Neste exame é avaliado tanto a quantidade quanto a quantidade e que, por isso, deveria ser realizada em todos os pacientes. Porém, como isso nem sempre é possível na rotina do profissional, é preconizado que se faça quando o paciente tem uma queixa, ou de excesso ou de falta de saliva. Na presença de algum sinal e sintoma dos citados, inclusive a halitose, ou em casos de aspecto visual da saliva alterado. A avaliação também é indicada quando o fluxo é ausente ou acontece apenas com ordenha, não espontâneo. Pacientes com risco aumentado, com diagnóstico de HIV, hepatite, doenças autoimunes com um risco maior de desenvolver Síndrome de Sjogren. Ou também nos casos em que apresenta alguma condição reumatológica, paciente diabético, que está na menopausa, que toma múltiplos medicamentos. Nestes casos, a sialometria deveria ser m cuidado de rotina, como prevenção.

Para uma avaliação precisa é fundamental padronizar o exame para que ele seja feito sempre sob as mesmas condições, assim como ter valores referenciais para interpretação. A Dra. Maria Cecília falou ainda sobre a interpretação do exame e os materiais próprios para facilitar o trabalho. Diferenciou sialometria não estimulada, que acontece em repouso e mede a saliva basal, aquela que a pessoa apresenta no dia-a-dia. Apresentou técnicas de sialometria com estímulos gustatórios, mastigatórios e farmacológicos, além de demonstrar passo a passo sobre como executar e interpretar cada um dos exames.

Para finalizar, conclui, em conjunto com os participantes, que ter uma boa saliva é fundamental para a homeostase bucal e para a saúde como um todo. Reforçou o fato de que alterações salivares são problemas comuns, e apesar disso a saliva ainda é pouco avaliada.

Avaliar saliva é um método rápido, barato, indolor, não invasivo e que tem uma relevância clínica expressiva. Por isso, deve ser uma prática de rotina do Cirurgião Dentista.


Participe do Encontro Científico de Halitose

Participe do Encontro Científico de Halitose

 12/12/2017

Embora a literatura aponte que casos de halitose crônica atingem cerca de 58 milhões de brasileiros, 30% da população. E que destas 90% são de origem bucal fazendo do Cirurgião-Dentista o profissional responsável por conduzir o [...]


Aprendendo mais sobre a halitose

Aprendendo mais sobre a halitose

 07/12/2017

A Halitose, distúrbio que acomete a boca conhecido como mau hálito, trata-se de uma queixa muito comum entre os pacientes na clínica diária. Cerca de 30% da população apresenta esse tipo de problema. Desde 1864 o mau hálito começou a [...]


Quebrando Tabus: Remédio para mau hálito?

Quebrando Tabus: Remédio para mau hálito?

 22/11/2017

Existe medicamento (remédio) para o mau hálito? As receitas caseiras funcionam? E os produtos, curam mesmo a halitose? A resposta para todas essas perguntas é NÃO! A halitose (mau hálito) não é uma doença, mas sim, um sinal ou [...]



Halitose é multidisciplinar. Você sabia?

Halitose é multidisciplinar. Você sabia?

 20/10/2017

Se você é médico, nutricionista, psicólogo ou atua em outras áreas da saúde, tente lembrar de sua rotina clínica. Quantos pacientes você já atendeu com mau hálito?   Esta alteração é muito mais [...]



Halitofobia: o medo do mau hálito.

Halitofobia: o medo do mau hálito.

 11/09/2017

Você já sentiu algum aroma que te fez se lembrar de algo bom? É que cheiro é uma coisa que marca, não é verdade? Algumas fragrâncias nos remetem a ótimas lembranças. Mas com certeza você também já teve o desprazer [...]







Conheça a Dra. Cláudia C. Gobor - Presidente ABHA

Conheça a Dra. Cláudia C. Gobor - Presidente ABHA

 10/08/2017

O interesse pela Halitose começou quando a Dra. Cláudia C. Gobor assistiu uma palestra da Dra. Olinda Tárzia num congresso em Santa Catarina no inicio de 2003. No mesmo ano, fez com ela o Curso de capacitação no protocolo da extinta SaudBucal, onde [...]


Halitose por Biofilme Lingual: Como resolver?

Halitose por Biofilme Lingual: Como resolver?

 01/08/2017

Já é de conhecimento da sociedade que a halitose cria barreiras e atrapalha relacionamentos, sejam eles amorosos, sociais ou até mesmo profissionais pois embora silencioso e invisível, o mau hálito tem potencial devastador na saúde do portador. A [...]



voltar à página anterior
© 2016 — Todos os Direitos Reservados GO!Sites